quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Diario de um Caçador PARTE 3 - por Adriano Sintate

Embu das Artes: 27 de Julho de 2014, 17:36hs

Bom por onde começo...., já sei, à três noites atrás eu acabei com a existência de um vampiro, um guardião por assim dizer, pela primeira vez desde que eu comecei a caçar, tive remorso em matar um vampiro, mas o importante não é isso, as informações que ele me passou sim, e o principal delas era a localização de 3 vampiros anciões, esperando para virarem churrasco, parece que eu ganhei na loteria dos caçadores de dentuços, né?

Errado!!!! É como dizem: “- Estou avisando capitão, ISSO VAÍ DAR MERDA!” e hoje tem grandes chances de eu morrer.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Um Repórter que era Fã - por António Vilaça

      Eu era ainda um miúdo quando percebi que ele não era normal. Estava naquela idade em que questionamos tudo e todos, em que olhamos o mundo com olhos de quem o descobre, e em que ninguém nos leva tão a sério como julgamos merecer. 

      Ele tinha uma voz contagiante e inconfundível, um corpo pálido e por vezes cadavérico, e um postura incansável em palco. Estávamos nos anos 70 e nos anos 80 muita coisa acontecia no mundo para que um adulto tivesse tempo para ouvir as considerações de um adolescente. Eu dava os meus primeiros passos na tentativa de me tornar um repórter de um jornal local sobre música. A música sempre fora tudo para mim. E a música sempre foi tudo para ele.
      O encanto de um vampiro nunca é muito óbvio. Não posso dizer que ele fosse um homem bonito. Mas quando aparecia ofuscava qualquer um nas redondezas. Era poderoso e parecia uma serpente quando dançava ao som das suas próprias notas.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Diario de um Caçador PARTE 2 - Por Adriano Sintate

Embu das Artes, 24 de julho de 2014, 04:00hs.
Pois é, cá estou eu outra vez escrevendo para vocês, sentado em um sofá velho com uma garrafa de whisky do lado, tentando me recuperar da falta de dois dentes, 1 costela quebrada, vários hematomas espalhados pelo corpo, e de quase morrer nas mãos de um servo vampiro, pobre coitado, pode se dizer que foi um bom negocio, mas não, não foi, e eu fiz merda dessa vez, bom deixa eu começar a contar.

Antes de qualquer coisa, Tenho que admitir, fui muito descuidado, como sempre, mas o trampo parecia fácil e as informações seguras, o plano era bom, perigoso mas bom, o problema é que acabou de uma forma dolorosa para mim, e trágica para ele, mas valeu pelas valiosas informações que eu consegui obter, saber que existem três facções rivais entre os vampiros, sendo que duas se odeiam mutuamente e estão em guerra se matando, realmente isso não tem preço.

sábado, 2 de agosto de 2014

Como Anjos e Vampiros - por Adriano Siqueira

      Dalton era um rapaz muito curioso. Tinha 22 anos, era Loiro, alto e seus olhos eram azuis. Ele sempre se envolvia com todos os tipos de pessoas e problemas. Para ele, nada importava mais do que conhecer o mundo por completo. E naquela noite ele iria conhecer algo que mudaria a sua vida para sempre.

      Dalton estava acompanhado de seus dois amigos, Carlos e Mauro. Eles iam para uma casa abandonada para se encontrar com um homem que lhes mostraria os segredos do vampirismo.

      Carlos pede atenção a Dalton e diz brevemente:

- Nada de falar da sua amiga Lecabel, entendeu Dalton?

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Diario de um Caçador PARTE 1 - por Adriano Sintate

  São Paulo, 25 de março de 2014, 23:00, em uma balada que eu não faço a menor ideia da onde seja.

      Pois é vida chata, cá estou eu sentado no balcão de uma balada cara na região dos jardins, tomando uma garrafa do melhor whisky da casa, vestindo as roupas mais caras que o dinheiro pode pagar só esperando a minha vitima aparecer, para muitas pessoas o meu trabalho parece fácil, mas não é, já estou ali a uma hora e meia, uma patricinha ou outra tenta se aproximar de mim para conversar, umas interessadas na bebidas, outras interessadas em mim, querendo puxar assunto, logicamente dispensei todas, melhor para elas, mal sabem o quanto sou perigoso, quantos já matei, hoje só tenho olhos para a minha vitima, hoje é a conclusão de três meses de investigação, e pode ter certeza de uma coisa, hoje alguém morre.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Do Mito à Realidade - por Inês Correia


    Já lá vai o tempo do Conde Drácula… Posso eu afirmar com felicidade, contudo, receio, que descobri outro terrível noctívago conde, outro aterrador vampiro… Conde… Castelo Branco!

      Como descobri tal evidência? Uma longa e complexa investigação levou-me a inegáveis provas que conduzem todas ao mesmo tenebroso desfecho… O Conde Castelo Branco não é nada mais, nada menos do que um vampiro!
Eis as provas:
A)    É conhecido pela sua “louca” vida noturna. É certo e sabido que os vampiros são mais ativos à noite…
B)    Possui um pseudônimo de “Conde”;
C)    Com o passar dos anos, não ganha rugas. Dizem vocês que é da cirurgia plástica? Pois eu digo que ele não
envelhece…